A Cidade dos Vampiros


    O Observador

    Compartilhe
    avatar
    Filipe
    Humano

    Mensagens : 5
    Data de inscrição : 03/06/2016
    Idade : 36
    Localização : Rio de Janeiro

    O Observador

    Mensagem por Filipe em Seg Jun 06, 2016 10:00 am

    O Outono.

    Eu adoro o Outono. Não é só por causa da estação em si, mas, por tudo o que ela representa.

    Vejam. Neste momento eu começo a escrever essas páginas com a sensação da brisa fria que entra pelas frestas da minha janela. Ao longe, escuto o vento lá fora enquanto sinto o cheiro do frescor da noite que se aproxima. Provavelmente o céu está claro, mas, eu não me dou ao trabalho de ir olhar pois sei que vem tempestade por aí. Não daquelas que todo mundo conhece, afinal, tempestade mesmo acontece no verão, o que é estranho pelo fato da estação ser a mais quente do ano. Mas, estamos no Brasil, ou melhor, no Rio de Janeiro mais precisamente, onde tempestades causam mais caos e levam a mais raiva do que qualquer um daqueles poderia consumir.

    Já estou eu, divagando e perdendo meu raciocínio novamente.

    Continuando. O outono me proporciona um certo relaxamento, talvez por conta da calmaria, das nuances das idas e vindas das pessaos nas ruas, detalhes e humores que são quase imperceptíveis. Mudanças que pouquíssimos notariam. Eu sou um desses. Eu sou um dos que notam. Que observam. E é por isso que comecei, a partir de agora, a escrever tudo isso. Pois eu observei que uma tempestade está vindo e isso, isso meus amigos, não é próprio do outono.

    Nesse momento, eu não posso me estender muito. A noite cai lá fora e eu decidi que tenho muito o que fazer antes que ela se vá. O trabalho como entregador tem suas vantagens. Eu posso ir e vir, não sou notado. Sou apenas mais um carinha de moto cortando as ruas entre os carros para fazer mais uma entrega. O que me pagam é o bastante para mim. Não sou de luxos e não tenho nenhuma despesa, a não ser aquelas que crio diariamente. Sem preocupações mundanas, tenho tempo para me preocupar com o que realmente importa e isso é uma grande vantagem nesse tempo.

    Foi por me preocupar com o que realmente importa que comecei a escrever. Anotar aqui nesse caderno aquilo que estou prestes a fazer. Ninguém sabe e digo que, se soubessem, jamais aprovariam. Loucura eles diriam. Eles ririam e jogariam piadinhas dizendo que minha cabeça nunca teria saído de lá.

    Foda-se! Eu sei o que tenho que fazer e não vão ser os caga refras que vão me impedir de continuar.

    O problema com algumas pessoas é que elas não conseguem ver o cenário geral. Analisam detalhes e esquecem do contexto. Foda-se novamente.

    Continuando. O trabalho me possibilita ver muitas pessoas todos os dias e, uma hora ou outra você acaba esbarrando com alguém mais estranho do que normalmente as pessoas são. Afinal, não existe normalidade. As pessoas vivem num casulo criado por elas mesmas  e acham que fazem parte de algo maior - "Sociedade"- Eles dizem. Hrá! Piada... todo mundo é ferrado, de uma forma ou de outra.

    Então, acaba que essas pessoas mais estranhas me chamam atenção e, tudo o que me chama atenção eu tenho que compreender mais afundo. E, foi por isso que há algum tempo eu comecei a formular uma idéia na minha cabeça. Essa idéia que muitos diriam ser loucura. Venho observando alguns desde então e vou começar a escrever aquilo que vejo, estudar o que pode ser feito e como ser feito. Se eu conseguir me manter no caminho certo, vou ter muito o que aprender e melhor, terei muito poder de fogo... Ahhhh, eles não perdem por esperar...

    Nossa! São 19 horas... Estou atrasado... depois continuo...
    avatar
    Filipe
    Humano

    Mensagens : 5
    Data de inscrição : 03/06/2016
    Idade : 36
    Localização : Rio de Janeiro

    Re: O Observador

    Mensagem por Filipe em Qua Jun 08, 2016 12:30 pm

    Hoje eu acordei coberto por suor frio, talvez tão frio quanto o sincelo que cobria os pequenos galhos de arbustos mortos nas planícies onde me encontrava. A neblina, o cinza e o negro que hoje fazem parte de mim assolaram meus sonhos como sempre acontece. Aquele sentimento de desespero, um medo profundo e arraigado em cada centímetro do meu ser tomou conta da minha cabeça segundos antes de eu despertar ofegante, quase sem fôlego.

    Merda! Cheguei tão tarde ontem que não tive disposição para escrever nada. Tarde... Bom, cedo na verdade de acordo com o padrão da maioria das pessoas. Eram 5:10 da manhã quando deitei minha cabeça. Exausto pelo trabalho e pela observação diária que me impele. Fui eu que escolhi isso, tenho "tarefas" à cumprir e não posso me distrair quanto a isso..

    Rodei. Rodei desde as 23 horas e não consegui encontrar nenhum daqueles que eu me interessei em observar. Também, pudera, se fosse fácil observá-los eu certamente não teria criado tanto interesse assim. Já falei que são diferentes? Estranhos? Certamente, seus hábitos e custumes são aquém daquilo que eu poderia denominar como de fácil observação. Isso não me fará desistir, pelo contrário, senti-me até mais estimulado, afinal, são de pessoas assim que eu preciso.

    Eles certamente ficarão putos quanto tentarem me encontrar e eu estiver encoberto por camadas e camadas de véus totalmente diferentes daquilo que Eles conhecem, estão fodidos comigo... hahaha.

    Vou continuar procurando-os. Não vejo a hora de começar a aprender com cada um deles...

    Agora vou guardar isso aqui e voltar ao trabalho, espero ter mais o que falar da próxima vez que sentar para escrever... Até, amigo.

      Data/hora atual: Ter Jul 25, 2017 9:30 am